Os gestores de marketing estão sozinhos?

O tempo médio de um profissional de marketing numa empresa é de 35 meses, chegando a 12 meses no segmento de alimentos. Mas por que eles duram tão pouco tempo nas empresas? Uma das razões para isso é a enorme pressão para trazer resultados financeiros, que eles enfrentam.

Mas os gestores de marketing estão sozinhos na busca por esses resultados. Muitos diretores de empresas tem a convicção de que a responsabilidade pela conquista de novos clientes e consequente lucratividade é responsabilidade apenas de um profissional solitário ou no máximo do departamento de marketing em que ele trabalha (Kotler, 2016). Segundo esse ponto de vista, os gestores de marketing são mágicos. Eles tem o poder para transformar toda a empresa e fazer as mudanças necessárias para que os produtos e serviços sejam um sucesso.

Continuar lendo Os gestores de marketing estão sozinhos?

Anúncios

Conheça 10 enganos que alguns designers cometem em projetos de inovação

Hoje vemos muitas organizações se interessando pela abordagem que os designers usam para descobrir e oferecer valor aos seus clientes, pois diferentemente das abordagens tradicionais, no design arrisca-se mais, exploram-se melhor as emoções e geram-se ideias originais. Isso faz com que as empresas se destaquem dos concorrentes, fortalecendo suas marcas e melhorando seus resultados financeiros. No entanto, nem tudo são flores nesse processo, conforme explico a seguir.

Continuar lendo Conheça 10 enganos que alguns designers cometem em projetos de inovação

A difícil arte de recusar um trabalho na crise

Talvez você já tenha passado pela situação em que precisava decidir se atendia o cliente, garantindo o leitinho das crianças, ou se recusava o trabalho, explicando para ele que aquele projeto seria um desperdício de tempo e dinheiro.

No primeiro caso, você estaria pensando apenas em si mesmo:

“Não posso recusar um trabalho. Preciso trabalhar, pagar as contas e perder um projeto pode significar entrar em dificuldades financeiras ou enfrentar a crise econômica que estou vivendo”.

A segunda opção significaria se colocar no lugar do cliente:

“Esse cliente também pode estar passando por uma crise e está usando as economias para tentar salvar um negócio com a minha ajuda. Não seria justo seguir em frente, sabendo que o cliente está apostando suas fichas num projeto que não tem condições de trazer os resultados que ele espera.”

Como você reagiria? Daria mais importância ao seu lucro ou alertaria o cliente, correndo o risco dele desistir de contratar o seu serviço?

Continuar lendo A difícil arte de recusar um trabalho na crise